Grupo de ceramistas apresenta criações no Jardim do Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul

.

2010 Bienal B: "Bando de Barro no Arquivo":
Trabalho coletivo do grupo de ceramistas que será apresentado no Jardim do APERS durante a Bienal B.

Abertura: 21 de outubro de 2010 às 19:30



2009 "Guardar - Bando de Barro no Arquivo": Mostra de cerca de 50 artistas ceramistas do grupo Bando de Barro exibida em outubro de 2009, nos jardins do Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Obras de arte que mostram criações feitas a partir do barro e que comprovam a contemporaneidade da criação em cerâmica. teve como tema norteador as palavras chave: guardar, guardião e os possíveis desdobramentos que delas pudessem surgir, remetendo à função própria do local da exposição, o Arquivo Público. Na noite de abertura, além da exposição das obras, Lara Soza realizou uma performance , acompanhada pelo músico Nanã Paru. Os músicos Gilson Geiger (Teclado), Fernando Fleck (Violão) e Rosana Marques (Voz e violão) também fizeram uma apresentação.


"Guardar - Bando de Barro no Arquivo"
Exposição aberta em 22 de outubro de 2009 às 19:30
Visitação: de 23 de outubro à 30 de novembro de 2009
Local: Rua Riachuelo, 1031, Porto Alegre/RS


27 julho, 2009

Arquivo de Emergência

ARQUIVO DE EMERGÊNCIA. documentação de eventos de ruptura

O Arquivo de emergência é uma é uma iniciativa independente. Uma situação de pesquisa criada para conectar eventos em arte contemporânea brasileira. O Arquivo circula pelo Brasil em várias instituições desde 2005, estabelecendo parcerias e edições específicas. Reúne material sobre “eventos de ruptura” [1] ocorridos desde meados de 1998 no território do Brasil. Consiste na produção de um arquivo de documentos e índices a projetos de artes visuais, coleta e sistematização de material informacional [porção material do arquivo] [2]; e em ações de entrevista, conversa, acompanhamento da produção de grupos e artistas, participação em encontros e seminários, entre outros [porção situacional e crítica do arquivo]. A pesquisa costura os universos da produção artística e das formas possíveis de documentação, observando criticamente as imbricações entre tais e a capacidade de infringir no desenho de um campo de criação artístico em contato intenso com o campo social. É uma iniciativa em processo e, portanto, sempre inacabada.
Como iniciativa “documental” assume o desafio de elaborar criticamente noções de arquivamento, documentação, historiografia, classificação, nominação e demais práticas anexas. Bem por isto, o Arquivo de emergência inventa um vocabulário de termos e conceitos que condizem com suas buscas e arquivamentos.
O Arquivo de emergência, ao agregar em uma mesma situação documental iniciativas inscritas no campo das artes visuais, e ao organizar um sistema de informação [estrutura do arquivo] a partir de tais iniciativas, multiplica linhas conectivas já existentes entre tais iniciativas. Bem por isto, A Arquivista e Cristina Ribas sugerem a observação de ações artísticas inscritas no campo da arte e no enfrentamento de suas bordas como ações que decorrem de um processo dialógico, no qual pode-se elaborar continuidades, descontinuidades, parcerias, cópias, negações, associações, ad infinitum… Com isto, os materiais documentais dispostos no Arquivo de emergência podem também ser usados como índices a demais EVENTOS, ESTRATÉGIAS, DOCUMENTOS, TEXTOS, IMAGENS, LINKS, criando uma rede de arquivamento e indexação ilimitada.
Entre algumas questões que ajudam a elaborar o recorte deste Arquivo, A Arquivista propõe pensar: de que forma a arte pode ter intervenção social?; de que forma a sociedade e suas condições modificam a arte? Arriscando uma hipótese, desde meados de 1998 se pode observar uma intensa ocupação do espaço das “ruas” ou dos “espaços públicos” – apontada pelos próprios grupos de artistas, ativistas, por críticos de arte e jornalistas. No Arquivo, o espaço das ruas é também pensado pelo conceitos de “esfera pública” e “comum”, ou seja, de que forma a arte requer, para seu acontecimento alguma forma de mobilização social em gradientes de participação e colaboração, e de que forma a prática da arte constitui a multiplicidade da sociedade. Com estas questões e hipóteses, pode-se afirmar que o trabalho do Arquivo de emergência criar uma situação crítica de documentação para parte da arte brasileira que tem implicações políticas, duplamente em direção/relação à sociedade, como em direção/relação ao campo da arte – considerando devidamente as intersecções e fluxos entre tais.
De uma forma, torna-se uma estrutura de aprendizagem com a qual se pode tomar conhecimento de parte da arte brasileira, desmistificando julgamentos que reservam às artes visuais a necessidade de um saber especializado.
O Arquivo aposta no espaço-tempo dilatado da pesquisa e na situação pública dos arquivos como possibilidade de constituição de laços de sociabilidade no comum e/ou na sociedade.
É organizado pela Arquivista e por Cristina Ribas.

[1] trecho do texto de instituição do Arquivo, “Situação”: “A RUPTURA é a condição subjetiva dos EVENTOS, que surgem como diferença no cotidiano dos corpos. A improvisação, a sensibilidade, o escracho, a ironia, a proposição e a colocação de presenças distintas em campos de visibilidade ressignificados são ações de RUPTURA, produto de novas subjetividades na urbanidade dos corpos-AGENTES.” [2] Os documentos são em grande parte produzidos por artistas, compreendendo folhetos, imagens, textos, relatos, catálogos, livros, projetos, rascunhos, etc.

Fonte: http://arquivodeemergencia.wordpress.com/

25 julho, 2009

Inauguração do Painel




Finalmente ocorreu a inauguração do Painel feito por Adriana Daccache, Maria Ester Fontoura, Rafa Rachewski, Rodrigo Núñez, Ricardo Fontoura e Thiago Martini, em 2005.




video

22 julho, 2009

Oficina "Como abrir uma champagne com a taça"

O "instrutor" Ricardo ministrou a Oficina "Como abrir uma champagne com a taça", no dia da "Grande Oficina de Apitos e Ocarinas". Tinha muita gente com vontade de participar, mas coragem de fazer a aula prática só uma pessoa teve.

Quem?

Só podia!!! Caren Czerwinski!

video

video

Vamos ver como ela se sai no próximo encontro...

e se teremos mais corajosos...

09 julho, 2009

Como fazer ocarinas

Esses sites foram garimpados pela Stella Valim!

Como fazer uma ocarina:

Ocarina de cenoura:

O modelo e o som são legais:

Como abrir uma "champagne" com a taça

Aqui, uma demontração da habilidade do Ricardo em abrir a "champagne" com a taça.

Em maio, na janta feita na casa da "Dona" Heloisa (mãe da Mima) ele queria fazer isso com os cristais da anfitriã ( que estava tranquila a quilometros de distância...) mas a filha dela temeu ser deserdada e não deixou... quem se arrisca???!!!

video

Assim que reduzirmos o outro vídeo, mostraremos quem se arriscou!!!

08 julho, 2009

A Oficina

Bah!!! Foi um domingo "tri" legal!!!!
(não resisti...tive que usar esses termos, pois eles se encaixam perfeitamente pra situação...)
Sabe a Miriam Gomes??? a Mima??? Pois, então...depois de uma falta de "penso" dela, que marcou a oficina para às 9 horas de um domingo, o que significaria que as pessoas teriam que se encontrar às 8:15 no centro, e portanto acordar antes das 7 horas....(no domingo!!!! GRRRR) uma luz baixou na criatura, que desesperadamente entrou em contato com os oficineiros no sábado (a "querida" não tinha o telefone de todos...) para marcar para às 11 horas... o Santo dela é forte... todos foram avisados e suspiraram aliviados.... é...como ela mesmo disse "foi idéia de jerico"... e ainda chegou atrasada....
Mas, como o atraso ocorreu por conta de buscar algumas bandoleiras caroneiras e pelo bom humor do grupo ela nem foi decapitada...
A Oficina foi ótima! Estavamos em mais de 30 pessoas, o tempo ajudou (não estava muito frio e não choveu, apesar da previsão) o almoço estava delicioso e fizemos vários apitos e ocarinas.


















































































































Agradecemos a Silvia do Canto, Stella Valim e Nico Giuliano que nos ensinaram a fazer os apitos e ocarinas. Ao Ricardo e Maria Ester que mais uma vez receberam o Bando. E a todos que foram, para fazer apitos ou companhia!

E agora mãos na massa, pois precisamos de vários apitos para nossa expo!!!

Quem não foi e não sabe fazer, não se acanhe. É só pedir, que explicamos!!!